PAGINAS

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

ESTAGNAÇÃO RELIGIOSA



Pessoas criam idéias, uma panacéia tirada da cornucópia, teorias
gastas, dogmas criados para colocar cabresto nas suas idéias, um ópio
que nunca acabou, mas aumentou, com seus novos donos, com suas
palavras novas retiradas de idéias arcaicas,limitando a evolução mental
em regras, cheias de costumes criados para serem dogmas,
para o enriquecimento religioso dos que querem manter suas instituições
acima de todas as outras, em detrimento à superioridade da verdade verdadeira.

E se criam religiões para os gostos ávidos da humanidade pobre em verdades
E de desejos de saber a verdadeira Sabedoria, acreditando em tudo que vê e ouve
E agradecem Deus pelo que lhe foi dado.




Mas o questionamento da fonte que lhe foi imposta não merece ser molestada.
A heresia é uma prostituição do que não deve se profanar.
Mas a profanação da Verdade só pode ser realizada pelos Fariseus modernos.

Os dogmas e as regras estão superiores à verdade e esta,
Acaba se tornando heresia, e os que falam a verdade e questionam a verdade
Que está atrás das regras e dos dogmas são dignos das antigas fogueiras
E do ódio teológico onde Deus se torna diferente e cada um tem o seu,
Sendo que geralmente o do outro lado se torna um deus diabo.




Mas esta estagnação religiosa não será uma estupefação da verdadeira divindade?
Cansado de tratar de egos inflados de idéias e regras para conhecer algo que
Deveria ser tão simples?

Um novo impulso espiritual seria necessário e uma nova consciência,
Para uma nova humanidade, mais questionadora, menos ligada aos dogmas
E regras das grandes instituições religiosas espalhadas pelo planeta,
Onde, ao invés de falar em união, acabam pregando a desunião.

O que deveria ser um auxílio para o amor e a compaixão,
Tornou-se uma guerra para saber quem é mais “divino”.
Deus não é mais único e absoluto, é uma partícula que se divide
e todos os dias surge mais um átomo desta grande cadeia de vida eterna.

Talvez, os antigos hindus estejam certos e Deus esteja jogando o Mahalila,
o grande jogo, brincando com os que não entendem suas regras óbvias
e que está em qualquer religião: Amor e Compaixão.
Não só por aqueles que acreditam na sua verdade, mas por aqueles que têm uma verdade diferente, como todos os outros que estão no mundo,
Cada qual, com sua impressão digital, com suas idéias, suas ações, suas religiões.
Lembrando uma frase do Cristo:
“É preciso nascer de novo!”