PAGINAS

domingo, 31 de janeiro de 2010

As Digitais dos Deuses



As Digitais dos Deuses (Finger prints of the Gods)
Graham Hancock
Jornalismo 618 páginas
Tradução de Ruy Jungmann
Formato: 16x23cm
ISBN: 8501054712

http://www.mediafire.com/?mmqmijmdxkm



Autor de The Sign of the Seal, que chegou no topo dos mais vendidos na Europa e nos Estados Unidos, o jornalista Grahan Hancock está de volta com um livro polêmico. Em AS DIGITAIS DOS DEUSES, ele mostra que a origem da civilização foi há 15 mil anos, num lugar agora enterrado sob o gelo glacial antártico — e não há 5 mil anos, no deserto africano, como se supunha.

Uma irresistível mistura de um trabalho de investigação histórica, ciência avançada e descobertas recentes, AS DIGITAIS DOS DEUSES revela o quanto temos que aprender sobre o nosso passado e o que ele pode revelar sobre o futuro. Hancock foi atrás dos raros traços sobreviventes dessa civilização perdida e que floresceu antes das grandes culturas egípcia e chinesa. Juntando as peças deste quebra-cabeça cujas peças estavam espalhadas por lugares tão díspares quanto a Antártica (onde foram, por exemplo, encontrados fósseis de palmeira), Egito e América, o pesquisador descobriu evidências de uma civilização tecnológica e culturalmente avançada.

Graham Hancock foi correspondente, na África, dos jornais The Economist e Sunday Times. Suas investigações sobre civilizações perdidas o transformaram em uma celebridade dessa área. Sobre o assunto, produziu ainda programas para a BBC (Inglaterra), CNN (EUA) e para a série National Geografic Explorer.

"Uma incrementada caça histórica de tirar o fôlego. Mas intrigante, divertida e vigorosa o suficiente para fazer você refletir." — Kirkus Review

"Hancock desafia a história ortodoxa com extraordinárias teorias...sua varredura através da história antiga é audaciosa." — Daily Mail


Este livro ainda deu base para o filme da Warner Bros, do diretor Roland Emmerich, que deixou muitas perguntas no ar.

Chama-se "10.000 a.C."
Veja o trailer do filme e procure o DVD, é muito bom!

http://baladas.blogtv.uol.com.br/2008/03/07/trailer-do-filme-10000-ac

sábado, 30 de janeiro de 2010

Escravo do Que Não É




A humanidade é tão feliz quando criança que continua a vida inteira querendo viver seus contos de fadas,
criando seus "brinquedos de gente grande",
suas fantasias, seus heróis e suas bonecas.
E cresce, se torna adolescente, discriminadamente chamado por alguns de "aborrecente".
Pura crueldade consigo mesmo ou inveja de saber que seu tempo de ouro já passou.
Só lhe resta agora descobrir que seus desejos de Aladim e suas fantasias perderam a validade.
Então descobre que se tornou um Escravo daquilo que não é, ou, não gostaria que fosse.
Os almejos adolescentes, poucos foram atingidos,
e os príncipes viraram sapos e os sapos encheram suas barrigas de cervejas e um monte de carne pútrida de algum animal da indústria.
E a mulher corre para a cozinha requentar no microondas, seus filhos, já se acostumaram com sua falta.
E você acostumou ver o marido apenas algumas horas e acredita que já viveu com ele muitos anos, desgastados anos.
Gostaria de ter feito viagens, conhecido pessoas, ter visto a vida passar.
Mas sua liberdade acaba quando você se torna escravo do que não é .
E finge ser feliz com a sua infelicidade,
com as coisas que passam alucinadas por sua vida dizendo: Adeus!



http://pegaonerd.blogspot.com/2007_05_06_archive.html


Mas não importa,
as rugas do tempo irão apagar as mágoas consigo mesmo e o espelho é cruel com todos,
e somente ele mostra a verdade.
E quando você se coloca em sua frente descobre que o tempo passou e a vida não deixou você fazer mais do que dez por cento de tudo o que queria.
Só lhe resta ver seus netos crescerem e fazerem piadas sobre sua velhice,
sua caduquice, sua falta de atenção e surdez.
Olham e pensam, porque não tem coragem de serem o que são.
Assim como você, são escravos do que não são. E quando virem seu rosto no caixão, fingirão chorar para as pessoas que estão à sua volta,
mas que por dentro está estampado o "Descanse em Paz", um misto de "descansar" com "até que enfim".
Porque o escravo do que não é, jamais será o que é.
A realidade choca e a liberdade de vivenciar a verdade é um ingresso muito caro que poucos têm a petulância de pagar.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Admirável Mundo Novo

Notícias

15/01 - 18:00
Steven Spielberg produz documentário sobre World Trade Center









Vai ter a assinatura de Steven Spielberg um documentário sobre a reconstrução da área em que ficava o World Trade Center, em Nova York. Segundo a 'Variety', o cineasta é o produtor-executivo do projeto, que será apresentado como um programa de seis capítulos, no canal Science Channel, da Discovery, em 2011.

"Reconstruindo Ground Zero" é o título provisório do projeto, que será rodado em 3-D e em alta definição. O roteiro acompanhará o desempenho de políticos, autoridades e construtores para colocar de pé o edifício que ocupará o lugar das Torres Gêmeas, destruídas pelo ataque terrorista de setembro de 2001.

"Dada a relevância do projeto, a emoção que está ligada a ele e o impacto que a reconstrução terá na cidade nos próximos anos, o público precisa entender tudo o que está acontecendo nos bastidores", declarou um dos diretores ligados ao projeto arquitetônico. Spielberg está envolvido no documentário através da Dreamworks Television, braço para TV de sua produtora cinematográfica.



ADMIRAVEL MUNDO NOVO

Duas caras de um mesmo limbo suástico invertido,
Como se fossem heróis de um novo tempo surgido,
Enquanto Spielberg chora os mortos das torres do terrorismo,
O terrorismo é praticado no Paquistão.
E choram os terremotos e maremotos,
E a capacidade de tomar posse do que é alheio, ao seu proveito,
Dentro de casa continua a faminta oposição da verdade escondida,
As feridas pútridas dos bancos na terra maldita e sagrada,
Santifica-se com os kamikazes forçados a serem heróis,
Pela idiotice humana, insana.
Enquanto o dinheiro voa para paraísos fiscais,
Organizações globais, terrestres, pestes,
A miséria se propaga no meio das balas perdidas,
E o doce virou amargo, o livro virou fel, ferro.
O brinquedo virou morte, sorte,
Para aqueles que desconfiam que vivem um mundo,
Em que todos são anões de uma grande prostituta branca.
Onde se entra no espelho para encontrar o reverso,
Do que se vê e enxerga apenas uma Alice,
Num mundo de maravilhas, de alucinógenos,
De cartas marcadas e gatunos invisíveis.
E mesmo estando encima do muro,
Não se consegue quebrar a casca do ovo.
Profecias Maias, bíblicas, científicas,
E as críticas ambientais sobrepujam as próprias fantasias,
Das belezas que não existem.
E enquanto o tempo passa o terrorismo se alastra pela TV,
Esconde-se na casa dos filhos da modernidade,
Que com seus pensamentos divinos,
Não consegue encontrar a saída da cloaca.



Onze pessoas morrem no Paquistão em ataques com mísseis dos EUA

ISLAMABAD - Pelo menos 11 supostos insurgentes, incluídos alguns estrangeiros, morreram e vários ficaram feridos em dois ataques com mísseis supostamente lançados por aviões não tripulados dos Estados Unidos em diferentes zonas tribais paquistaneses, informou neste sábado a rede privada "Dawn".

O primeiro dos ataques, registrado no final da sexta-feira, teve como alvo uma casa de uma pequena localidade do distrito de Mir Ali, situado no Waziristão do Norte, e matou cinco pessoas.

A segunda ação aconteceu poucas horas depois em uma zona situada na fronteira entre as regiões do Waziristão do Norte e do Sul conhecida como Mirkhani, onde outras seis pessoas pereceram.