PAGINAS

sábado, 30 de janeiro de 2010

Escravo do Que Não É




A humanidade é tão feliz quando criança que continua a vida inteira querendo viver seus contos de fadas,
criando seus "brinquedos de gente grande",
suas fantasias, seus heróis e suas bonecas.
E cresce, se torna adolescente, discriminadamente chamado por alguns de "aborrecente".
Pura crueldade consigo mesmo ou inveja de saber que seu tempo de ouro já passou.
Só lhe resta agora descobrir que seus desejos de Aladim e suas fantasias perderam a validade.
Então descobre que se tornou um Escravo daquilo que não é, ou, não gostaria que fosse.
Os almejos adolescentes, poucos foram atingidos,
e os príncipes viraram sapos e os sapos encheram suas barrigas de cervejas e um monte de carne pútrida de algum animal da indústria.
E a mulher corre para a cozinha requentar no microondas, seus filhos, já se acostumaram com sua falta.
E você acostumou ver o marido apenas algumas horas e acredita que já viveu com ele muitos anos, desgastados anos.
Gostaria de ter feito viagens, conhecido pessoas, ter visto a vida passar.
Mas sua liberdade acaba quando você se torna escravo do que não é .
E finge ser feliz com a sua infelicidade,
com as coisas que passam alucinadas por sua vida dizendo: Adeus!



http://pegaonerd.blogspot.com/2007_05_06_archive.html


Mas não importa,
as rugas do tempo irão apagar as mágoas consigo mesmo e o espelho é cruel com todos,
e somente ele mostra a verdade.
E quando você se coloca em sua frente descobre que o tempo passou e a vida não deixou você fazer mais do que dez por cento de tudo o que queria.
Só lhe resta ver seus netos crescerem e fazerem piadas sobre sua velhice,
sua caduquice, sua falta de atenção e surdez.
Olham e pensam, porque não tem coragem de serem o que são.
Assim como você, são escravos do que não são. E quando virem seu rosto no caixão, fingirão chorar para as pessoas que estão à sua volta,
mas que por dentro está estampado o "Descanse em Paz", um misto de "descansar" com "até que enfim".
Porque o escravo do que não é, jamais será o que é.
A realidade choca e a liberdade de vivenciar a verdade é um ingresso muito caro que poucos têm a petulância de pagar.