PAGINAS

sábado, 7 de julho de 2012

DOGMAS II

 


O guru de um asham indiano sentava-se todas as noites para fazer suas preces e meditações. Ao redor dele, os discípulos. O gato doméstico do guru, no entanto, perturbava um pouco os presentes, e o instrutor fez com que ele fosse amarrado durante as meditações da noite. Anos depois, quando o guru morreu, o gato continuou sendo trazido para a meditação e amarrado no mesmo local. Quando o gato morreu, outro gato foi trazido para aquela comunidade religiosa para que pudesse ser preso por uma corda durante a meditação da noite. Séculos depois, os estudiosos começaram escrever tratados sobre a importância  de ter um gato amarrado na sala de meditação durante as orações da noite. Mas os sábios eruditos discordavam sobre o tipo de corda que deveriam amarrar o gato. Algumas novas seitas religiosas surgiram então, à partir desta polêmica, e cada uma delas pensava estar preservando melhor a pureza do ensinamento do grande guru.