PAGINAS

domingo, 18 de novembro de 2012

PINTURA




PINTURA

Tu eras uma pintura renascentista, de grande pintor,
Que deixou em suas pinceladas os tons do amor,
Um belo quadro com cores vivas, cheiradas, degustadas,
Por grande pintor sua alma foste eternizada.

Em lindas canções sua beleza foi cantada,
Com os mais belos instrumentos, a voz mais afinada,
Um grande músico tocou a mais bela trova,
Nem Stradivarius passou por tão grande prova.

Mas eis que pessoas não dão valor às obras de arte,
Esquecendo os detalhes, as minúcias de alguma parte,
Onde se esconde o obscuro da sombra reveladora,
Na pausa magnética da música criadora.



És agora pintura de Picasso ou Dalí,
Coisas que olhei e jamais entendi,
Pintura grotesca que retrata um mundo triste,
De coisas que você deixou, que esqueceu que existe.

As canções se tornaram descompassadas,
Com instrumentos desafinados e vozes desanimadas,
Sons artificiais tentam imitar a natureza,
Músicas eletrônicas com batidas sem pureza.

A pintura jaz esquecida, num canto guardada,
Com o pó do tempo e teia de aranha acumulada,
O velho violão desafinou suas cordas mortas,
Com melodias feias, cheias de notas tortas.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

HOJE




HOJE

Hoje acordei triste de saber coisas que não gosto,
Cansado de tantas lutas num caminho que aposto,
Onde o espelho oculta a verdade,
Atrás das portas que se abrem para outra realidade.

Cansei por um momento de achar que eu sou eu,
De achar que tenho compromisso com algo dito meu,
Já não sou aquele que era, não serei o que vou ser,
Jamais poderei entender o que não consigo ver.

Hoje dormirei triste pela escuridão que ainda persiste,
Na ideia fixa de se achar que ainda existe,
Entre tantas ideias que não me levaram à nada,
Ver uma vida tola e vã enfim acabada.

Mas amanhã existirá um outro dia,
Para que eu possa preencher a minha alma vazia, outra fantasia,
De um novo eu para representar de novo,
Este ser que um dia se atreveu quebrar a casca do ovo.