PAGINAS

terça-feira, 21 de abril de 2015

CRÔNICA DE CRONOS - TIRADENTES




CRÔNICA DE CRONOS - TIRADENTES


Tiraram os dentes que ainda restavam,
Na velha engrenagem enferrujada pelo tempo,
Desdentada pelos trilhos percorridos, na consciência,
Inconfidência, inconsistência, histórica e real,
Encheram com sangue os pratos do planalto central,
Onde o Sol teima em se olhar pelo palácio,
E os palhaços se pintam para o dia da forca,
Se estrangulam, enquanto pagam o sepulcro,
Se purgam na memória de seus heróis,
Criados para dar-lhes muletas de Salvador,
Salvador Dali já previa, tudo tem anistia,
Sem problemas! Seremos enforcados mais um dia!



Elder Prior.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

CRÔNICA DE CRONOS - INTERNET E INCONSCIENTE COLETIVO




CRÔNICA DE CRONOS - INTERNET E INCONSCIENTE COLETIVO

Jung, em suas pesquisas, chegou à conclusão que existe um Inconsciente Coletivo, que permeia a humanidade.
Guardando, como se fosse um grande computador, todos os registros da evolução humana, desde eras perdidas pelo tempo até chegar aos dias de hoje.
Embora não seja uma ideia nova, já que na filosofia oriental é uma coisa constante, conhecida como registros akáshicos, busca pela libertação através da meditação, uma libertação do mundo físico para se preencher com o Samadhi, ou Nirvana, um outro estado mental, ou ainda, de consciência.
Mas, o que vemos hoje é uma cristalização destes registros do Inconsciente Coletivo se tornando real e acessível a toda humanidade, ou, pelo menos uma parte dele.
Isso mesmo. Estamos falando da Internet. Foi a maior revolução mental que a humanidade pode ter. Estes registros se tornaram uma imensa rede de comunicação, entre mentes que estão distantes, em tempo e espaço, e, sabedorias que estavam esquecidas nos museus.
Com esta manifestação física deste Inconsciente Coletivo percebemos que muitas pessoas preferem passar o dia inteiro em frente ao computador do que viver no mundo físico, ou seja, estão no estado de Nirvana, de uma certa forma, desligados do mundo. Um ponto que para alguns ainda é inconsciente, para outras pessoas tornou-se consciente, como uma libertação espiritual.
Com a criação de aparelhos portáteis, que acessam estes registros de qualquer lugar, na hora que quiser, mostra o quanto a humanidade se abriu para a nova descoberta. Vemos jovens muito mais interessados no mundo virtual, que traz muito mais paz ao espírito do que o mundo físico, cheio de leis ultrapassadas e um mundo que está se tornando cada vez mais desumanizado.
É lógico que, como no mundo físico, nem tudo são flores. Existe muito da negatividade humana inscrita nestes registros akáshicos. Não há como separar o bem e o mal dentro desta grande mente, o grande Adão. Mas vemos que surge um grande divisor de águas para as próximas gerações.
De um lado, a humanidade se ligará cada vez mais com a consciência virtual, deixando de lado todo o mundo apodrecido, herdado pelo ancestrais que acreditavam que as riquezas nunca acabariam. Uma nova humanidade que criará uma luta sem fim para continuar esta expansão de valores diferentes aos até agora criados e idolatrados.
Do outro lado, ficarão os que não se interessam por esta conexão do intelecto e se deixarão levar pelo prazer e pela emoção corporal. Os vícios em drogas, álcool e sexo os libertarão das antigas leis. Mas a demasia da busca os levará para um lado sombrio e doente. Este é o problema do vício. A doença que ele carrega em si.
O futuro é incerto. Não sabemos como a humanidade se comportará quando o consumismo chegar em seu ápice de produção e criar um colapso entre os poderes de venda e compra. Uma crise que não tenha mais volta e paliativos, para se libertar dos vícios e da prisão coletiva proporcionada pela internet.
Chegará o momento de tornar o mundo todo em um Nirvana físico? Tornar o Inconsciente em Consciente? Uma nova consciência humana?

Elder Prior.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

CRÔNICA DE CRONOS - PRÉ SAUDADE



Crônicas de Cronos - Pré Saudade

Pré Sal, pré Sol, pré céu, sujo,
fogo no mar, na praia, na terra santa,
dinheiro, riquezas, intrigas.


Alguém se perde na demagogia, no estrelismo,
enquanto peixes, vidas morrem, apodrecem,
testamento da incompetência, da ausência,
atrás dos morros, das muralhas, nova Jericó.


Deu dó, da pobreza instalada, destilada,
e tudo acaba como sempre foi.

Mais um imposto, posto no posto de gasolina,
e aquela menina já não olha teus bens,
teu Mercedes Benz, não faz parte de haréns.


Esfaceladas pela dose diária de álcool,
etílico, etanol, comprimidos psicotrópicos,
dos trópicos que pegam fogo,
no calor da mídia, mendiga,
que enriquece com as verdades, as mentiras,
contrastes, nos trastes, aceitos,
no sono da população.


Elder Prior.
Crônicas de Cronos - Pré Saudade

Pré Sal, pré Sol, pré céu, sujo,
fogo no mar, na praia, na terra santa,
dinheiro, riquezas, intrigas.

Alguém se perde na demagogia, no estrelismo,
enquanto peixes, vidas morrem, apodrecem,
testamento da incompetência, da ausência,
atrás dos morros, das muralhas, nova Jericó.

Deu dó, da pobreza instalada, destilada,
e tudo acaba como sempre foi.

Mais um imposto, posto no posto de gasolina,
e aquela menina já não olha teus bens,
teu Mercedes Benz, não faz parte de haréns.

Esfaceladas pela dose diária de álcool,
etílico, etanol, comprimidos psicotrópicos,
dos trópicos que pegam fogo,
no calor da mídia, mendiga,
que enriquece com as verdades, as mentiras,
contrastes, nos trastes, aceitos,
no sono da população.

Elder Prior.

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=290707 © Luso-Poemas
Crônicas de Cronos - Pré Saudade

Pré Sal, pré Sol, pré céu, sujo,
fogo no mar, na praia, na terra santa,
dinheiro, riquezas, intrigas.

Alguém se perde na demagogia, no estrelismo,
enquanto peixes, vidas morrem, apodrecem,
testamento da incompetência, da ausência,
atrás dos morros, das muralhas, nova Jericó.

Deu dó, da pobreza instalada, destilada,
e tudo acaba como sempre foi.

Mais um imposto, posto no posto de gasolina,
e aquela menina já não olha teus bens,
teu Mercedes Benz, não faz parte de haréns.

Esfaceladas pela dose diária de álcool,
etílico, etanol, comprimidos psicotrópicos,
dos trópicos que pegam fogo,
no calor da mídia, mendiga,
que enriquece com as verdades, as mentiras,
contrastes, nos trastes, aceitos,
no sono da população.

Elder Prior.

Leia mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=290707 © Luso-Poemas